sexta-feira, 18 de fevereiro de 2022

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - “Uma nação renascida”: estrutura, poder e dominação na série The Purge


Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação 0 aluno Leonardo Vidal desenvolveu uma análise sobre a série The Purge a partir de conceitos de Durkheim, Gramsci e Marx, que foram discutidos durante o período.

"A série The Purge, disponível na Amazon Prime, surgiu a partir da franquia dos cinemas Uma Noite de Crime, tendo duas temporadas, a primeira em 2018 e a segunda em 2019. Com roteiro de James DeMonaco, a série continua contando histórias sobre o novo sistema implementado a partir da ascensão de um novo partido nacionalista ao poder dos Estados Unidos: The New Founding Fathers of America (NFFA).
Em 2014, os Estados Unidos enfrentam um cenário caótico com uma crise econômica e social que abre espaço para o grupo NFFA derrubar o governo e assumir a presidência do país. A partir de 2016, sob um governo autoritário, totalitário e opressor da NFFA, inicia-se um plano nacional para estabilizar a sociedade norte-americana devido ao aumento da violência e problemas sociais: The Annual Purge. Com o discurso pautado na salvação do país, os cidadãos norte-americanos seguiriam todas as regras e leis durante o ano em troca de um feriado especial que daria a oportunidade das pessoas purificarem, assim como é chamado na série."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2022

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - Análise sobre o TikTok




Com base nas discussões feitas ao longo da disciplina Sociologia e Comunicação a aluna Thaís Amaral Soares desenvolveu uma análise acerca da comunidade virtual de compartilhamento e consumo de mídias, TikTok.


"O TikTok é uma comunidade virtual de compartilhamento e consumo de mídiasaudiovisuais de curta duração. Segundo informações disponibilizadas pela própria plataforma nas “Diretrizes da Comunidade”, trata-se de uma comunidade global que dá a possibilidade de criar e compartilhar, descobrir o mundo e se estabelecer conexão entre os usuários. Os conteúdos compartilhados no TikTok têm a duração máxima de três minutos, o que é uma disponibilidade recente já que até alguns meses atrás esse tempo era de sessenta segundos. Na plataforma, podem ser encontradas diversas formas de conteúdo que variam no tipo, na apresentação, na duração, dentre outros fatores. O sistema funciona de forma personalizada, assim de acordo com os conteúdos que o usuário mais assiste e interage são apresentados outros semelhantes ou dos mesmos grupos. Dessa forma, cria-se um padrão dos conteúdos que mais aparecem para cada um. E, além disso, os vídeos que alcançam mais interações de quem os receberam, os chamados “virais”, também são os mais impulsionados na plataforma e atingem mais usuários."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI 

terça-feira, 23 de novembro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - Expresso do Amanhã (Snowpiercer) e as teorias de dominação e marxista


Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação a aluna Natalia Lourenço desenvolveu uma análise da série da Netflix, Expresso do Amanhã (em inglês: Snowpiercer), que foi idealizada a partir do filme de título homônimo, dirigido pelo produtor, roteirista e cineasta Bong Joon-ho.


"A trama narra a estória de um grupo de sobreviventes que vivem em um trem autossustentável, após a temperatura da Terra cair a ponto de dizimar a humanidade. Na locomotiva, que se desloca em trilhos dispostos ao redor de todo o planeta, cada vagão apresenta determinado papel para a sociedade que ele abriga. Existem vagões para agropecuária, para diversão, para o comércio, para a habitação, para a saúde, para prisão de infratores e para todas as demais atividades necessárias para a manutenção daquela sociedade. Os segmentos do trem são divididos de acordo com as classes sociais. Os passageiros do Snowpiercer compõem a primeira classe, a classe trabalhadora/operária e o fundo, de acordo com a passagem que adquiriram e quanto pagaram por ela. Os passageiros que vivem no “fundo”, no último vagão do trem, não compraram passagem e entraram no veículo clandestinamente e, por isso, vivem de forma miserável, sem direitos ou condições mínimas para viver dignamente. Os passageiros da classe trabalhadora/operária desempenham todas as atividades laborais do trem, desde as “braçais” até à administrativa. Enquanto isso, os passageiros da primeira classe, aqueles que pagaram o valor mais alto por suas passagens, não trabalham e apenas desfrutam das comodidades, produtos e serviços oferecidos no trem, fruto do trabalho alheio."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

quinta-feira, 18 de novembro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - As Telefonistas: as contribuições de Douglas Kellner para a leitura da narrativa


Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação, a aluna Luize Moraes desenvolveu uma análise da série espanhola da Netflix: Las Chicas del Cable (no Brasil, As Telefonistas), a partir de conceitos do teórico crítico Douglas Kellner, trabalhado na disciplina. 


"A série espanhola As Telefonistas - disponível da plataforma de streaming Netflix - aborda questões sociais relevantes no campo dos estudos das narrativas culturais. A ficção é ambientalizada em 1920, momento no qual as mulheres enfrentavam um processo ainda mais difícil, comparado ao atual, na busca por liberdade e direitos sociais. Atualmente, as mulheres e o feminismo - através de luta constante - conquistaram avanços no cenário desigual da sociedade, como por exemplo o direito ao voto, entretanto, as marcas patriarcais ainda são evidentes na contemporaneidade. Nesse sentido, a série em questão aborda a representação feminina em 1920 ao mesmo tempo que contribui para a simbolização e a manutenção da memória histórica na luta das mulheres, que se mostra presente no Brasil desde o período colonial, através do patriarcado, até os dias atuais."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

terça-feira, 16 de novembro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - Análise do álbum “Goela Abaixo” - Liniker e os Caramelows


Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação, a aluna Livia Maria Hora fez uma análise sobre o álbum “Goela Abaixo” de Liniker e os  Caramelows através de de conceitos trabalhados na disciplina e de sua própria experiência com o álbum. 


"Somos tão subjugados o tempo inteiro, estamos sempre ansiosos, sempre com a sensação de que podemos ser trocados, sabemos que a força do Estado pode operar sobre nós a qualquer instante, temos que nos esgoelar para receber o mínimo de respeito e o mínimo de humanidade, que às vezes tudo o que queremos é um descanso. Uma pausa para sentirmos que somos seres humanos. Um momento de paz e troca para não nos perder completamente. O carinho na goela é uma demonstração de que não precisamos mais gritar."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

quinta-feira, 11 de novembro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - Um novo olhar sobre Sex and The City: uma análise sociológica do enredo e a relação estabelecida com a terceira onda do feminismo


Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação, a aluna Lia Castanho a partir da perspectiva de Douglas Kellner optou por fazer uma análise crítica da série Sex and The City, enxergando-a como integrante da cultura de mídias, através de uma pedagogia que foge do binarismo.


"Considerada um grande marco pela indústria produtora de sitcoms no final dos anos de 90, presente em debates feministas e acusada atualmente de envelhecer mal (um episódio contém o ex- presidente Trump como materialização do homem perfeito), Sex and The City ainda gera discussões no meio acadêmico e nos demais setores da sociedade. Após 17 anos da exibição de seu último capítulo (2004), a sitcom ainda conquista público, atinge diversas faixas etárias e se encontra presente nas redes sociais não só através dos debates impulsionados pelas questões e dramas vivenciados pelas personagens, mas também pelo vestuário, a moda é também central no enredo. A identificação com as personagens, mulheres brancas de classe média na faixa dos 30 anos lidando com dilemas dos seus múltiplos papéis na sociedade no tempo atual, engendra este trabalho. Além deste aspecto, a escolha desse produto midiático para análise sociológica recebe influência direta da perspectiva do pesquisador Douglas Kellner (2002). Deste modo, possui como principal proposta a não demonização da sitcom, mas sim uma análise crítica do fenômeno, enxergando-o como integrante da cultura de mídias e praticando uma nova pedagogia que foge do binarismo proposto pelos apocalípticos e integrados."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - A pandemia e o “bum” de criadores de conteúdos no instagram: análise de caso da @anaflaviadeverdade

 



Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação, a aluna Larissa Da S. Fonseca desenvolveu uma análise acerca do fenômeno do aumento de criadores de conteúdo no Instagram durante a pandemia, se baseando em autores e conceitos trabalhados ao longo do semestre.


"No ano passado, a pandemia do novo coronavírus parou a vida de toda população, e durante essa fase de isolamento, as pessoas redescobriram formas de se comunicar, e de se expressar. De acordo com uma pesquisa, quase 90% das pessoas aumentaram o tempo de uso no celular, e no pico da crise mundial, o público do Instagram cresceu 40%. Dessa forma, alguns sujeitos viram a oportunidade de compartilhar as suas histórias e os seus conhecimentos em formato de post.
Como bem disse Enne em seu papinho podemos ver que o “show da performance" ganhou bastante força nas redes sociais no período da pandemia do COVID -19. Provavelmente você já escutou alguém comentando “fulana virou blogueira" ou “virou blogueira né?” Essas falas são bastante comuns, no universo de pessoas que estão compartilhando no mundo online seus ideais, looks do dia, dicas, tutoriais, textos, vídeos, receitas, enfim, algo que a pessoa gosta de fazer e acredita ser bom ou boa naquilo."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

sexta-feira, 5 de novembro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - Big Brother Brasil, O Carisma Weberiano, O Espetáculo de Debord e A Performance de Goffman

 

Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação, o aluno Julieverson Figueiredo desenvolveu uma análise do reality show Big Brother Brasil a partir de conceitos de Max Weber, Guy Debord, e Erving Goffman, trabalhados na disciplina. 


"A garantia à privacidade é um direito humano desenvolvido a partir do pensamento liberal, levada a sério pela sociedade e assegurada pela Constituição Federal, em seu artigo 5.o, inciso X. Contudo, existem pessoas que gostam de estar em evidência, e podem abrir mão de tal direito a fim de adquirir fama e espaço nos meios midiáticos. E se essas pessoas que gostam de se destacar tivessem a oportunidade de estarem sendo vistas 24 horas por dia, dentro de uma casa, tendo sua imagem veiculada todos dias, por em média três meses, no maior conglomerado de mídia de seu país, na intenção de serem julgados pela audiência e quem sabe se tornarem milionárias? Essa é a premissa do Big Brother Brasil, versão brasileira do reality show Big Brother."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

terça-feira, 26 de outubro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - Olimpianos Modernos: O caso Juliette Freire



Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação, a partir de pensamentos do sociólogo Edgar Morin em seu livro Culturas de Massa, a aluna Mariana Goulart desenvolveu uma análise acerca das narrativa relacionadas a campeã  da 22ª edição do Big Brother Brasil, Juliette Freire, e seu potencial de identificação.


"A narrativa criada pela jogadora e principalmente montada para a edição que ia ao ar diariamente do Big Brother Brasil, conseguiu fazer com que muitas pessoas se identificassem com a história que a participante vivia lá dentro da casa, essa identificação tem muito a ver com o que Edgar Morin comenta em seu livro Culturas de Massa no Século XX: o espírito do tempo, ao trazer uma reflexão que coloca esses novos influenciadores no lugar de deuses, se tornando modelos de vida para quem os acompanha."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI

quinta-feira, 21 de outubro de 2021

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais - Instagram: apenas uma rede social ou um local onde a liquidez dos dias atuais destrói singularidades?

 


Para finalizar a disciplina Sociologia e Comunicação, o aluno Caio Santos Aguiar desenvolveu uma análise acerca do uso da rede social Instagram se baseando em autores e conceitos trabalhados ao longo do semestre.


"Com o objetivo principal de ser uma plataforma de compartilhamento de fotos e vídeos, o Instagram ao decorrer de 11 anos se tornou não só uma das maiores redes sociais, como também um dos maiores veículos de publicidade e comunicação do mundo. Dados divulgados pela Revista Forúm mostram que no ano de 2018 a plataforma atingiu o número de 1 bilhão de usuários ativos e que pelo menos 71% dos usuários têm entre 18 e 35 anos. No mesmo ano, de acordo com um estudo realizado pela Associação Nacional de Dirigentes das Instituições Federais do Ensino Superior (Andifes), 8 em cada 10 alunos, de 18 a 29 anos relataram sentir ansiedade, medo e desesperança, poderia o Instagram estar sendo um dos gatilhos para os jovens adultos nestes tempos de modernidade líquida?."

Para ler o trabalho completo clique aqui. 



Postagem: Giulia Jesus - graduanda de Estudos de Mídia/

Bolsista de Iniciação Científica PIBIC/UFF - GRECOS/LAMI