sábado, 21 de novembro de 2015

Sociologia e Comunicação - Trabalhos Finais: "Culturão 2000"

O grupo formado pelos alunos Isabella Oliveira, Laila Arêde, Laura Spíndola, Luiz Filipe Paz, Mateus Pereira, Raul Carneiro e Thayanne Torres produziu um vídeo muito bacana para a aula de Comunicação e Cultura Popular.

Inspirados pelo vídeo "Gaiola das Cabeçudas" do programa Comédia MTV, que fez sucesso em 2010, os alunos fizeram uma paródia musical a partir de funks de sucesso, ilustrada por famosas cenas do cinema cult. O objetivo do grupo é abordar a questão do hibridismo cultural desenvolvida por Canclini a partir de elementos que são classificados como opostos e tem grande peso simbólico em relação à delimitação de classes.

video

para assistir o vídeo em alta qualidade, acesse o link - https://vimeo.com/144399372

"A proposta deste trabalho é a criação de um vídeo no qual valores e estruturas “eruditos” e “populares” vão se encontrar na formação de um objeto culturalmente híbrido. A intenção por trás do desenvolvimento desta produção é ressaltar o debate acerca do processo de segregação dos universos “erudito” e “popular”, com o objetivo de se questionar tal distinção.  Para tal, é necessário se fazer uma reflexão acerca da definição do que conhecemos por cultura, além de conceitos associados à sua estruturação, tais como reconstrução, hibridismo, (re)apropriação, entre outros.

O vídeo “Culturão 2000” é constituído por imagens de filmes consagrados do cinema – cenas de danças –, acompanhadas pela trilha sonora formada por ritmos e batidas que caracterizam o Funk. A letra da composição traz um conjunto de referências à base teórica desenvolvida ao longo da matéria de Comunicação e Cultura Popular II e frases, melodias e paródias de alguns dos funks mais emblemáticos e conhecidos pela nossa sociedade. É válido ressaltar que os principais pontos abordados e explanados neste trabalho são demonstrados não somente no desenvolvimento da letra, mas também perfeitamente ilustrados na própria estrutura da composição em si, que é formada por uma inusitada junção dos diferentes conteúdos anteriormente indicados."

Confira a letra da música abaixo e o trabalho na íntegra aqui.

Culturão 2000

Solta o rap, DJ! (gritos de estímulo)

"Eu só quero é ser feliz/
Falar com Bourdieu e viajar lá pra Paris, é/
Que cultura popular/
Tem sua importância e devemos estudar" 

Fé em Deus! (gritos de estímulo)

"Parrapapapapapapapá pá pá
Parrapapapapapapapá pá pá

Dizem que cultura é ruim de entender/
Mas com a Ana Enne, 'vamo' aprender, é
Pensamento iluminista vou dizer como é que é/
Funk no Brasil é coisa de ralé/
Pra subir nesse conceito só se for Vivaldi/
Mas no batidão os 'burguês' invade"

Quer saber? (gritos de estímulo)

"Stuart Hall bem dizia/
Que a cultura é central/
Mas não podemos dizer/
Que tem sentido geral/
Que no dia a dia/
Substantiva ela é/
A cultura é discurso/
Crenças, costumes e fé"

"Era só mais um Pablo/
Que a estrela não brilha/
Ele era sofrência/
Mas não iluminista"

Rala Aculturada!

"Conhecimento só é bom pra iluminista/
No romantismo: pensamento saudosista/
Nenhum dos dois aceita reapropriação/
Pega sua ideia e vai pra..." 

“Esse é o Bakthin/
Um moleque estudioso/
Vem pra cá, iluminista/
Já entendi esse seu jogo

Se falar de cultura/
Tem que ter hibridismo/
E reapropriação/
Vai ter que misturar/
E se interligar/
Tem que ser no plural/
Não há conceito total.

"Tava no Louvre/
Avistei Gioconda no hall/
Sabe de quem lembrei?/
Hall, Hall, 
Stuart Hall, Hall, Hall
Stuart Hall, 
Hall, Hall"

Piririm, Piririm, Piririm/
Alguém ligou pra mim/
Piririm, Piririm, Piririm/
Alguém ligou pra mim/

Quem é?

Sou eu, Martin-Barbero/
Tô aqui pra misturar/
Diz aí Nestor Canclini/
Partiu relativizar

Cultura é conhecimento?/
Não, não, vamos pensar/
Cultura é conhecimento?/
Não, não, vamos pensar

Tem que ter mediação/
Tem que ter reconversão/
Tem tem que ter apropriação/
Essa é nossa conclusão.

Nenhum comentário: